Ruminar

As primeiras horas do dia rompem as nuances sombrias de tua barba –
Sinais de descontrole, paixão e fúria.
Caminhos seguros.
Meus dedos resvalam as ondas corpóreas de nós dois.
Transição.
Corpo.
Sexo.
Os lábios maltratados do sono se estendem na comissura de tua boca –
Tropeço;
Bebo;
Embriago-me.
Laços de anos equilibram a memória.
Perco-me nos declives de teu pescoço e venço o mundo.
O ruminar de sons, eclipse, loucuras.
Pálpebras que se cerram.
Escuridão.
Tortura.
A entrega serpenteia os olhos.
Dois corpos.
Tua barba em meu colo, ventre…
Sorrisos.
Emudecemos.
O instante se dobra e não há mais murmúrios.
Silêncio.

Gostou? Compartilhe!
Faah Bastos
trintona, escritora nas horas tortas, estudante de Psicologia, professora e louca por bichos!🌟
Post criado 162

Deixe uma resposta

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo